Unifebe Vargas

Recicle é novamente alvo de reclamações em Guabiruba

Além da empresa, a “lei verde” criada por oposicionistas também foi alvo de embates;

IMG_7730

Foto: Câmara –

Guabiruba – Na segunda sessão legislativa no ano de 2015 em Guabiruba, ocorrida nesta terça-feira (10), os ânimos estiveram mais contidos que na primeira, uma semana atrás. Além dos vereadores, quem esteve presente na sessão foi o coordenador da Casa da Cidadania de Guabiruba, Luis Antônio da Silva Machado. O motivo de sua visita foi prestar maiores esclarecimentos sobre a emissão das carteiras de trabalho e demais serviços da repartição.

Segundo Silva, o início dos trabalhos em 2015 foi prejudicado por falhas no sistema, mas que os problemas já foram resolvidos. Ele apresentou estatísticas sobre as emissões de serviços trabalhistas nos dois anos que se passaram. “Estamos dando o melhor de nós. Eu tenho me empenhado ao máximo. Contem comigo” disse, conclamando o apoio dos vereadores guabirubenses para a manutenção dos trabalhos.

IMG_7731

Foto: Câmara

Durante a inscrição da palavra, o vereador Cristiano Kormann (PP) foi o primeiro a discursar. O pepista destacou o início das inscrições de 14 cursos culturais que envolvem dança, música, expressão corporal e cultura alemã. “A expectativa é atender em média 350 alunos. 13 professores estarão ministrando as oficinas. As inscrições devem ser feitas na Fundação Cultural de Guabiruba”, disse. As inscrições iniciaram-se nesta segunda-feira (9).

Ele também parabenizou os investimentos feitos pela Prefeitura de Guabiruba na área da Educação, citando como exemplo a entrega de uniformes, mochilas e utensílios escolares.

O também pepista Valdemiro Dalbosco se utilizou do plenário para falar a respeito da emissão das carteiras de identidade e de trabalho. Elogiou a rápida iniciativa do Executivo em normalizar os serviços que apresentavam problemas desde o dia 12 de janeiro. Dalbosco questionou o Projeto de Lei que tramita na casa, de origem da oposição, que cria novas áreas de preservação ambiental, já que Guabiruba é uma das cidades que mais possuem espaços do tipo. “Qual o benefício disso? Estamos encurralando o bicho homem, nosso cidadão. Já estamos muito acima da média de Santa Catarina inteira. Temos que preservar? Sim, mas temos que deixar espaço para o homem viver”.

IMG_7735

Foto: Câmara

Haliton Kormann (PMDB) solicitou que um projeto de autoria do presidente da casa, Felipe Eilert dos Santos (PT), que obriga estabelecimentos como correios, bancos e financeiros a instalarem câmeras de segurança, seja divulgado junto aos órgãos empresariais guabirubenses (CDL, ACIBr entre outras), a fim de que auxiliem financeiramente na instalação das mesmas.

O presidente Felipe Eilert dos Santos utilizou da tribuna para falar acerca da inauguração da pavimentação da Rua Euvaldo Ebele, na manhã do último sábado (7), feita numa parceria entre Executivo e comunidade. ”A forma de cooperação faz com que consigamos realizar mais coisas no nosso município”.

Falou também sobre seu projeto, citado por Haliton anteriormente, ressaltando que o principal objetivo da matéria é monitorar os entornos de estabelecimentos financeiros, a fim de beneficiar o trabalho das forças de segurança pública, se algum crime ocorrer. “É uma proteção para o cidadão e dessa forma peço a boa vontade dos vereadores para analisarem com carinho”, finaliza.

Nilton Rogério Kohler (PMDB), no uso da palavra livre, destacou denúncia de um morador guabirubense, novamente relacionada a Recicle. De acordo com o cidadão, desde 2014 existe o descontentamento de vários guabirubenses com a prestadora de serviços, já que muitos residentes na cidade vizinha a Brusque estão recebendo mais de um carnê de cobrança, sem ter mais de um imóvel. “Uma garagem ou um galpão já basta para que eles enviem mais de um carnê”, citou. A pessoa que relatou a insatisfação para o morador acredita ser ilegal a cobrança da taxa, já que em outros imposto, como o IPTU, apenas um carnê é enviado aos cidadãos, ao contrário dos que são enviados pela empresa.

Em aparte, o presidente da casa afirmou que já tinha ciência do problema e disse que a questão tem que ser resolvida com uma ação contra a Recicle, movida com o auxílio de um advogado contratado pelos que se dizem prejudicados.

Quanto à questão do meio ambiente o peemedebista disse que realmente Guabiruba é uma cidade que possui muita área verde, mas que é preciso continuar fazendo cada vez mais.

Valdecir Gomes Ferreira (PDT) ressaltou que continua à disposição da população para tirar as suas famosas fotografias, já que há algum tempo ele não mostra alguma em sessões legislativas. Ressaltou e elogiou a disponibilidade do responsável pela Casa da Cidadania em vir à Câmara, logo depois dos problemas em emissões de documentos serem repercutidos pela imprensa e pelos vereadores.

Falou sobre pesquisas que anda fazendo, que mostram a necessidade eminente da criação de um cemitério e um abatedouro municipal em Guabiruba. “Está sendo muito difícil enterrar alguém que morre aqui na cidade”, pontuou. Ferreira fez indicações ao Executivo, pedindo a instalação dos dois serviços.

O vereador Osmar Vicentini (PMDB) aproveitou a sua fala para pedir que também seja inclusa a língua italiana nos cursos que estão sendo oferecidos pelo executivo, já que a cidade também tem uma cultura napolitana muito presente.

Jaime Luiz Nuss (PMDB) ressaltou que a Casa da Cidadania foi instituída no município na gestão do ex-prefeito Orides Kormann, seu correligionário. Falou, também, que é dever de todas as administrações subsequentes melhorar e ampliar os serviços prestados.

Polemizou ao dizer que o prefeito Matias Kohler deve gostar muito da Recicle, apesar de toda a comunidade não desejá-la. “É um absurdo você pagar por um lixo que você não produz. O pior é que todas as pessoas estão de mãos atadas porque o Ministério Público não acatou denúncia. Tudo por causa de um contrato muito mal feito pela atual administração, apenas para a Recicle. O contribuinte não tem vez nesse contrato”, finaliza.

Ordem do dia

Foi aprovado o Projeto de Lei Complementar 002/2015, que altera a lei complementar nº 508, de 20 de dezembro de 1994.

O projeto sobre as câmeras de monitoramento, elaborado pelo petista Eilert, foi baixado para as comissões finais.

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.