Unifebe Vargas

Honrarias para o fiel amigo de quatro patas

Plano funerário busca fim digno para animais de estimação

Foto ilustrativa. Fonte: Google

Foto ilustrativa. Fonte: Google

Para algumas pessoas, o animalzinho de estimação é como se fosse um membro da família. São tantos mimos e cuidados disponíveis atualmente no mercado, que podem causar inveja a qualquer ser humano. Salão de beleza, plano de saúde, cuidados com a alimentação e até mesmo tratamentos terapêuticos são alguns dos serviços que o animal tem a disposição. Mas, e quando ele morre? Para onde levar o seu fiel amigo?

Um grupo especializado em planos funerários humanos resolveu responder esta questão. No fim no ano passado, a rede iniciou o projeto para construir o primeiro cemitério vertical de Santa Catarina para animais de estimação. “Como a gente já tinha essa experiência em funerais e crematórios humanos, surgiu a situação da gente tentar trazer para o animal de estimação, já que hoje o pet se tornou uma parte integrante da família”, explica o gerente da rede em Brusque, José Correa Leite Júnior.

De acordo com Correa, objetivo é proporcionar um fim digno para o companheiro que dedicou a vida à família. Mas, para ele, a intenção vai além de que um gesto de amor. É questão de saúde pública. A empresa está construindo um crematório, para que os restos mortais dos animais sejam depositados. O processo de cremação dos animais respeita os mesmo critérios dos realizados para seres humanos. “A gente dá o mesmo tratamento do ser humano para o animal. A única diferença é o tamanho do forno. O procedimento de cremação, cuidados com a higiene são iguais ao dado para o ser humano”, diz.

O processo de cremação é realizado por meio de um forno, que chega a uma temperatura de 800º Célsius. O procedimento dura cerca de 5 horas para que seja concluído. “Os fornos possuem filtros. Isso impede que os resíduos possam cair no meio ambiente. As cinzas não apodrecem e não têm odor”, comenta.

Além do cemitério, que será construído em Blumenau, é possível armazenar as cinzas do animal em pequenas urnas. Segundo Correa, existe a possiblidade de utilizar as urnas como peça decorativa para o interior da casa. “Muitas vezes, você pode reservar um lugar que você pode ter as cinzas de seu bichinho em casa. Nós temos alguns modelos de urnas mais decorativas, que você possa ter em algum lugar de sua casa, sítio ou chácara”, explica.

Outra maneira de ter a presença do fiel amigo por muitos anos, mesmo em lembrança, é armazenando as cinzas em uma urna biodegradável. O sistema do compartimento permite que se enterrem as cinzas juntamente com uma semente de árvore.  “É inserida uma semente de árvore na parte superior da tampa. Trabalhamos com cinco espécies de árvores. Todas que geram flores. Você sepulta o seu animal no seu quintal e, da sepultura dele, vai nascer uma árvore. É uma lembrança para a vida toda”.

As primeiras cremações já devem acontecer em novembro deste ano na estrutura construída em Blumenau. Para o próximo ano, está programada a inauguração de mais dois crematórios, Itajaí e Joinville, respectivamente.

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.