Coronavírus em SC: Matriz de Risco aponta 13 regiões no nível alto e quatro no moderado


Pela terceira semana consecutiva, Santa Catarina não apresenta nenhuma região no risco gravíssimo (cor vermelha) ou grave (cor laranja) para a Covid-19. A Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada neste sábado, 23, aponta 13 regiões como risco potencial alto (cor amarela) e quatro como risco potencial moderado (cor azul).

As regiões do Alto Vale do Itajaí e Oeste, que na semana anterior estavam classificadas como nível alto (amarelo), passaram a ser classificadas como moderado, se juntando às regiões do Alto Vale do Itajaí e Alto Vale do Rio do Peixe, que se mantiveram em azul. Já a Região do Alto Uruguai Catarinense, que na semana anterior estava no nível moderado (azul), passou a ser classificado como alto (amarelo).  

:: Clique aqui para ter acesso à matriz completa

Publicidadelm MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO BRUSQUE

As regiões em risco alto são Alto Uruguai Catarinense, Carbonífera, Extremo Oeste, Extremo Sul Catarinense, Grande Florianópolis, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Meio-Oeste, Nordeste,  Planalto Norte, Serra Catarinense, Vale do Itapocu e Xanxerê.

Matriz passa por adequações para melhor refletir a situação do estado

Três parâmetros da Matriz de Avaliação de Risco passaram por ajustes para refletir melhor a situação do estado: cálculo de casos infectantes, cobertura vacinal e capacidade de atenção. 

Em relação ao cálculo de casos infectantes, passou-se a utilizar um modelo autorregressivo integrado de médias móveis (ARIMA) amplamente utilizados na análise de séries temporais. Com esse modelo, foi possível obter um melhor ajuste para o cenário epidemiológico, sendo mais apropriado para o atual momento da pandemia de Covid-19 em Santa Catarina.

Para o cálculo da cobertura vacinal, foi utilizado o total de doses (D2 e DU) aplicadas em relação à população de 12 anos ou mais residente em cada uma das regiões do estado, o que representa a cobertura vacinal completa desta população. Considerando o avanço na vacinação, os parâmetros que determinam o nível de gravidade foram revistos, sendo que cobertura abaixo de 60% é considerado gravíssimo, entre 60% e 70% grave, de 70% a 80% alto e acima de 80% moderado. Com isso, busca-se incentivar que os municípios promovam ações para ampliar a cobertura vacinal completa, contribuindo para um maior controle da pandemia. 

Por fim, houve mudança no cálculo da capacidade de atenção. Considerando que várias regiões estão com um número de leitos de UTI Adulto cada vez menos ocupados para Covid-19, já é possível retomar as cirurgias eletivas, que demandam menor tempo de uso de leitos de UTI. Considera-se como nível gravíssimo uma ocupação acima de 60% dos leitos disponíveis, como grave uma ocupação entre 40% e 60%, alto de 20% a 40% e moderado abaixo de 20%. Com isso, nove regiões apresentam uma ocupação abaixo de 20% (Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Extremo Sul Catarinense, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Meio-Oeste e Serra Catarinense), seis estão com ocupação de 20% a 40% permanecendo em nível alto (Extremo Oeste, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Oeste, Planalto Norte e Vale do Itapocu) e duas regiões apresentam ocupação de 40% a 60% estando em nível grave (Nordeste e Xanxerê). Nenhuma região se apresenta em nível gravíssimo.

O aumento na cobertura vacinal em Santa Catarina permanece sendo um fator essencial na melhora dos indicadores da Matriz de Risco em todas as regiões do estado. Já foram aplicadas mais de 9,6 milhões de doses de vacina contra Covid-19, das quais, 3,97 milhões foram de segunda dose ou dose única, estando completamente imunizados (54,8% da população total). Além disso, 172.821 idosos e trabalhadores de saúde já receberam a dose de reforço e 9.393 pessoas com imunossupressão grave receberam doses adicionais. Os dados de vacinação podem ser conferidos no novo vacinômetro.

Esses resultados devem ser observados com muita cautela, pois o número de casos ativos, embora tenha sofrido uma leve redução em relação à semana anterior, passando para 6.026, ainda se apresenta elevado. Para reduzir ainda mais o risco de transmissão de Covid-19 em Santa Catarina é necessário o avanço da vacinação, principalmente com a aplicação da segunda dose para todas as pessoas acima de 12 anos, além da aplicação do reforço para idosos e trabalhadores de saúde. Além disso, devem ser mantidas as medidas de prevenção como uso de máscaras, distanciamento,  buscar ambientes ao ar livre e com ventilação natural e evitar aglomerações.  

O principal objetivo da matriz de risco é ser uma ferramenta de tomada de decisão. A nota final do mapa de risco considera um intervalo de variação mais adaptado para cada nível, sendo de 1 a 1,9 como moderado, 2 a 2,9 como alto, 3 a 3,9 como grave e igual a 4 como gravíssimo.

Comentários


Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluídos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.

O Olhar do Vale é um jornal digital que traz notícias de Brusque, Guabiruba, Botuverá e  região do Vale do Itajaí.

Somos um portal de notícias dedicado aqueles que buscam informação de qualidade,  jornalismo com verdade.