Unifebe Brusque Vargas Têxtil

Simas critica AGIR e quer saber aonde o Samae investiu

 

simas

 

O reajuste de 10% na tarifa de água foi tema do pronunciamento de Alessandro Simas, na noite de terça-feira, 8 de abril. O vereador falou do histórico da Agência Intermunicipal de Regulação e observou que agora se confirmam as justificativas contra o projeto de adesão a AGIR, apreciado em 2012. “Não vou dizer que o aumento não seja justificável, mas precisamos saber em que vai ser investido o dinheiro. Agora a Agência autoriza e somos os últimos a saber. Quem decide o aumento, não só da água, mas do lixo e do futuro esgoto, são seis pessoas indicadas pela AGIR, seis pessoas indicadas pelos usuários e seis pessoas pelos prestadores, sendo que não tem um brusquense entre eles. E qual a responsabilidade que essas pessoas têm com a cidade e a sociedade de Brusque? A Agência pode ser necessária porque a lei determina, mas que seja criada uma agência aqui”, ponderou.

Simas cobrou a divulgação dos investimentos do Samae. “Onde está a planilha de investimentos? Precisamos saber o que vai ser feito durante o ano para que possamos cobrar e acompanhar. Esse aumento de 4,44% além da inflação, vai gerar muito dinheiro e se há necessidade de reajuste, que fique claro para a população o porquê. Acho que a responsabilidade quanto ao aumento de tarifas tem que continuar sendo do prefeito, do presidente da autarquia e passar pelo Legislativo. Não precisamos de agência para enganar o povo. Quem precisa saber sobre os investimentos de água é a população de Brusque, é quem vive aqui, e não a AGIR. Por isso, entendo que a AGIR não é benéfica para a cidade”, insistiu o parlamentar, apresentando ainda, Pedido de Informação ao Samae e a Agir, solicitando o plano de investimentos para 2014, bem como suas justificativas para que comprove a diferença de 4,44% acrescentado sobre o índice de aumento na fatura de água dos consumidores brusquenses.

Em aparte, Roberto Prudêncio observou que a questão da AGIR foi amplamente debatida na legislatura passada. “Sabíamos que seria prejudicial para a cidade, pois 10% vai doer no bolso da população. A Câmara perdeu a autonomia e fica difícil fiscalizar o trabalho de uma Agência Reguladora que não é de Brusque”.

Ivan Martins disse que nada justifica o aumento de 10% na tarifa. “A Câmara é que deveria discutir o aumento, mas perdeu sua identidade. Esse direito foi passado à Agência Reguladora”.

Celso da Silva falou que aconteceu o que previa. “Perdemos completamente a gestão para essa Agência que aos poucos vai impondo as regras aqui dentro, ceifando a Câmara das suas obrigações”.

Moacir Giraldi alegou que não querem que o Poder Legislativo fiscalize os serviços relacionados à água. “Ficamos sabendo do reajuste pelo jornal e daqui pra frente tudo que diz respeito a saneamento básico será assim. Estamos reféns da Agência e vamos ficar de braços atados a cada reajuste”.

Marli Leandro ressaltou estar havendo uma distorção do assunto. “Não recordo de ter acompanhado na história da Câmara, alguma discussão sobre o aumento na tarifa da água. Aliás, em outras épocas, tivemos reajuste em torno de 30% num ano. E quero lembrar que quem define o percentual é a autarquia. Cabe à AGIR analisar os números e definir se pode ser dado determinado percentual de aumento ou não, conforme investimentos previstos”.

 

 

Com informações da Asscom da Câmara

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.