Unifebe Brusque Vargas Têxtil

“Conversa mole”, “prefeito biônico”, “sempre prefeito Paulo”, “pega a viola e vai embora”. Sessão repleta de polêmicas

Sessão legislativa foi marcada por vários embates entre a nova situação e a nova oposição;

CAMARA GERAL (800x533)

Foto: Câmara de Brusque –

Brusque – Não faltou polêmica no momento destinado à palavra livre na sessão da Câmara de Vereadores de Brusque desta terça-feira (14). Tanto entre os vereadores quanto entre a plateia que, inspirada, participava ora vaiando, ora aplaudindo e ovacionando.

O primeiro a discursar, Guilherme Marchewsky (PMDB) baseou seu discurso na defesa do voto aberto, requerido por grande parcela da população. De acordo com ele, os vereadores não podem ter medo de mostrar a cara. “A Justiça nos deu a prerrogativa de realizar a votação secreta e fechada, mas por sentir que a população brusquense se manifesta, vamos tentar mudar isso”, pontuou.

O peemedebista também comentou e argumentou sobre a preferência assumida por Prudêncio para candidato a prefeito nas eleições indiretas do dia 30 de abril. “Queremos fazer um governo de várias mãos, mais solto, com políticas públicas eficientes”. Sobre o ditado de que “na política, se negocia até com o diabo”, Marchewsky foi incisivo: “Eu sou cristão e não cuspo na cruz”. O político foi aplaudido.

Vaiado antes mesmo de começar o discurso, Valmir Ludvig (PT) começou explanando sobre a cassação de Paulo Eccel (PT). O assunto que ainda repercute nas galerias do legislativo foi classificado como um golpe pelo petista. “A justiça tem lado e a política está criminalizada”, bradou. Por repetidas vezes, ao se referir ao ex-prefeito, Ludvig insistiu propositalmente em dizer “o sempre prefeito Paulo”.

Se não bastasse a polêmica criada até aí, Valmir classificou o movimento da atual situação governista à favor do voto aberto como “conversa mole”. Segundo ele, não é possível acreditar que a intenção dos que capitaneiam a causa seja mesmo a de ouvir a população, já que em outras vezes, projetos de interesse dos brusquenses foram rejeitados.

Ludvig estava com tudo! Tanto que ainda deu tempo de criar o termo “prefeito biônico”. Uma referência a Roberto Pedro Prudêncio Neto (PSD). O termo se popularizou durante o Regime Militar, quando prefeitos eram indicados para assumir cidades à partir da sanção de autoridades de Brasília. Marli, em aparte, aproveitou para lembrar que Prudêncio assumiu a Prefeitura no aniversário da tomada do poder pelos militares. Mais vaias.

José Isaias Vechi (PT) usou de seus quinze minutos para tentar defender a Petrobras. Segundo ele, a grande mídia só sabe dar repercussão para os podres descobertos dia após dia, sem notar o que ela ainda representa para o Brasil. No telão, ele apresentou números e dados que provam, segundo ele, que a empresa é idônea.

Prontamente, Dejair Machado (PSD), em aparte, contrariou o petista, mostrando dados da Gazeta Mercantil que apontam uma perda da estatal de R$ 21 bilhões, apenas na última semana. “Contra os números, não há argumentos”, sacramentou.

O último a falar foi o pessedista Ivan Martins. Nem por isso ele pegou menos pesado. Em seu discurso, Martins criticou a postura de Valmir Ludvig quanto a opinião proferida sobre a decisão que retirou Eccel do cargo. “Antes dizia que a Justiça era correta. Agora que o TSE caçou a liminar, a Justiça não presta mais (…) Ele [Paulo Eccel] sempre se achou acima de tudo e de todos, até mesmo da Câmara. Ainda querer vir contestar? Bota a viola debaixo do braço e vai embora!”. Ivan também acusou o ex-prefeito de ter tomado decisões unilaterais enquanto chefe do Poder Executivo municipal.

por Wilson Schmidt Junior

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.