Unifebe Vargas TEVAH

Aprovado relatório final da Comissão Especial Minha Casa, Minha Vida

Documento que apresenta conclusões e indica encaminhamentos recebeu 11 votos favoráveis na sessão de terça, dia 1º de novembro; trabalhos estão encerrados;

Foto: Câmara de Brusque -

Foto: Câmara de Brusque –

Brusque – Com 11 votos favoráveis e nenhum contrário, o plenário da Câmara aprovou na última sessão ordinária, dia 1º de novembro, o relatório final da Comissão Especial Minha Casa, Minha Vida. No documento, o relator, vereador André Rezini (PPS), recapitula as ações tomadas pela comissão desde a sua criação, há pouco mais de um ano, devido a problemas identificados por beneficiários do programa na infraestrutura dos residenciais Minha Casa, Minha Vida, no Limeira, e Jardim Sesquicentenário, no Cedrinho. Ao final, são apresentadas conclusões e indicados encaminhamentos.

O relatório aponta para “diversas falhas”, como a expressiva quantidade de moradores vivendo em cada empreendimento, o que tornaria “a administração do condomínio um trabalho árduo, sendo impraticável um consenso nas suas decisões”. Na sequência, observa a inexistência de fiscalização direta e contínua, durante as obras, por um profissional habilitado, fator que daria margem ao uso de materiais impróprios e à execução de serviços de forma inadequada.

Sob o ponto de vista do relator, que teve o aval da maioria dos demais legisladores, a gestão do Minha Casa, Minha Vida deveria competir ao Executivo municipal, “o qual é conhecedor direto das necessidades locais, podendo, para tanto, promover construções em tamanhos menores, espalhadas pelos bairros, de acordo com os planos municipais de desenvolvimento, e com fiscalização contínua sobre as obras”.

O texto destaca, ainda, falhas de conduta por parte da construtora Cittá e pela Caixa Econômica Federal. Para a comissão, ambas pecaram. A empresa porque deixou de “tomar ações concretas” quando do atendimento a pedidos formulados por proprietários dos imóveis. O banco, por sua vez, teria errado pela falta de retorno aos moradores quando da comunicação, via telefone, sobre problemas nos condomínios. A Caixa também teria deixado de prestar informações à própria comissão a respeito da situação dos chamados abertos.

“Um ponto difícil de ser esclarecido tange à morosidade da retomada dos apartamentos denunciados por estarem em situação irregular”, continua o relatório. “Isso pelo fato da Caixa não esclarecer a situação individual de cada denúncia, tornando impossível apurar se a mesma está adotando as providências necessárias para atingir a eficiência esperada da Administração Pública, bem como a finalidade do programa, que é a de destinar moradias a famílias com baixa renda”.

Encaminhamentos

A comissão sugere que seja solicitada ao Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) a medição individual do consumo de água nos apartamentos, “a fim de que a Administração Indireta possa efetuar suas cobranças de forma justa” e a Recicle possa, então, cobrar a taxa de lixo diretamente de cada unidade residencial.

Os trabalhos apurados deverão agora, a pedido da comissão, ser encaminhados ao Ministério Público Federal, a fim de que o órgão possa “adotar as medidas legais que julgar necessárias para a promoção da responsabilização civil e criminal, inclusive no tocante às indenizações pelos danos morais causados aos moradores pelos transtornos sofridos”.

As conclusões da comissão também deverão ser enviadas ao Poder Executivo, à Cittá, à Caixa e ao Corpo de Bombeiros, para que “atuem, no âmbito de suas respectivas competências, para sanar os problemas relatados”.

“O prejuízo sobra para os moradores”

Presidente da comissão, Moacir Giraldi (DEM), o Moacir da Acapra, manifestou-se sobre os trabalhos e o relatório: “Foram feitas visitas e várias reuniões com representantes da Caixa, da empresa que construiu os residenciais, o Corpo de Bombeiros, os engenheiros civil e elétrico, dentre outros. Infelizmente, concluímos que o dinheiro público foi muito mal investido”, salientou.O Sesquicentenário foi entregue em 2012. As informações que a comissão apurou é que as fissuras e rachaduras levam cerca de quatro anos para cessar, mas já se passaram quatro anos e elas continuam abrindo. Quando aparecem, comprometem as tubulações de água, por exemplo, que não possuem mais garantia. Então, o prejuízo sobra para os moradores”, exemplificou.

“Algumas coisas conseguimos, outras não. Infelizmente, a Caixa Econômica e a Cittá omitiram e não encaminharam à comissão muitas informações, inclusive isto está no relatório final. Então, logicamente, o Ministério Público, tanto o estadual quanto o federal, cobrará da Caixa quanto aos apartamentos que estão vazios nos dois residenciais”, acrescentou Giraldi em outro momento.

Além de André Rezini e Moacir da Acapra, integraram a comissão os vereadores Claudemir Duarte (PT), o Tuta, Ivan Roberto Martins (PSD), e Edson Rubem Müller (PP), o Pipoca, único a não assinar o relatório final, por estar ausente. Em novembro passado, Pipoca foi temporariamente substituído pelo suplente Jonas Tadeu de Marchi (PP).

por Assessoria de Imprensa

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.