Unifebe Vargas TEVAH

Com forte apoio de todas as classes, milhares vão às ruas de Brusque contra Dilma, Lula e PT

Protestos tiveram a duração de aproximadamente três horas;

1517730_621919334622792_471999836322083007_n (800x600)

Fotos: Wilson Schmidt Junior –

Brusque – As ruas centrais de Brusque foram pintadas de verde e amarelo na tarde deste domingo, 13 de março. A população da cidade parece ter comprado a ideia dos protestos em todo o Brasil e compareceu em peso na manifestação que pediu, entre várias coisas, a deposição da presidente da república, Dilma Rousseff (PT), a prisão do também petista e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além do fim da corrupção e da impunidade.

Ainda não há estimativa de público, mas as imagens coletadas por Olhar do Vale (ODV) dão conta da imensidão de pessoas presentes. Além da concentração de manifestantes na Praça Sesquicentenário, defronte a Prefeitura de Brusque, uma grande carreata reunindo aproximadamente 800 veículos percorreu a região central da cidade. Os números são da organização do evento. Após a chegada dos veículos na praça, todo o público se deslocou em uma grande passeata que percorreu as ruas do Centro e retornou ao mesmo local para mais discursos de lideranças e cidadãos que puderam se utilizar do microfone e explanar a indignação com o governo petista.

Apesar de ter sido a maior manifestação da era republicana brasileira em grandes polos como São Paulo (SP), em Brusque, claramente o número de manifestantes não superou o que foi visto em agosto de de 2013. Mesmo assim, o clamor das ruas foi transmitido. E com um diferencial: entidades que não possuem – oficialmente – cunho político acabaram tomando partido e apoiando os manifestos.

É o caso da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Brusque. De acordo com o presidente, Michel Belli, as entidades ouviram o clamor de seus associados. “Não é uma questão de partido nenhum. É uma questão de cidadania. Estamos lutando pelo país, pelo Brasil”, afirmou.

De acordo com Luciano Hang, proprietário da rede Havan, a união ainda é o principal ingrediente para a força. “Não importa se é trabalhador, se é empresário, precisamos mudar este país. Não é com discurso populista, entregando dinheiro para Bolsa Família, que vamos melhorar este país. Só vamos ter um país pra frente com trabalho e organização” comentou.

Além de personagens das entidades empresariais e dos próprios empresários, vários políticos, presidentes de associações de moradores e lideranças sociais que apoiam o impedimento de Dilma também estiveram no ato público. A manifestação foi acompanhada de perto por policiais militares do 18º Batalhão de Polícia Militar (18º BPM), que disponibilizou todos os seus agentes, até mesmo os que trabalharam no turno anterior ao manifesto.

Até o fechamento desta matéria, os organizadores não estavam disponíveis para entrevistas e balanços do ato.

Atualização às 19h51min: de acordo com o 18º Batalhão de Polícia Militar (18º BPM), foram cerca de dez mil os participantes do ato.

por Wilson Schmidt Junior

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.