Unifebe Vargas Câmara

Secretaria de Assistência Social enfatiza conscientização para alertar sobre o trabalho infantil

A Secretaria de Assistência Social e Habitação de Brusque está enfatizando ações que visam coibir o trabalho infantil. Segundo a técnica responsável pelo Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), Emanuelle Dias Pinto, este tipo de situação ocorre com maior intensidade neste período do ano e por isso é necessário diversas ações para coibir essa prática.

É uma questão que tem nos deixado bem preocupados. Chega no fim do ano e identificamos esse aumento da incidência do trabalho infantil. Já faz um tempo que estamos fazendo essa sensibilização junto com a rede socioassistencial, Cras, Creas, Conselho Tutelar e visitando também Unidades de Saúde para identificação destes casos visando iniciar um trabalho para diminuir estes problemas”.

Na pauta, a secretaria trabalha com ações de conscientização, orientação, entre outros serviços. O objetivo, segundo ela, é retirar crianças e adolescentes com menos de 16 anos de situações que possam por em risco a sua saúde e segurança. “É importante ressaltar que alguns trabalhos considerados como cotidianos para as crianças também podem se enquadrar nesta situação”, alerta, dando como exemplo o trabalho doméstico.

Em Brusque, o que observamos é que existem muitas empresas no fundo de casas que trabalham com confecção e estamparia, e essa prática se perpetua há tanto tempo dentro das famílias que as pessoas não identificam como trabalho infantil, mas segundo a legislação isso traz problemas para saúde física e mental das crianças”, comenta.

Segundo Emanuelle, já em 2010, o IBGE apontava em Brusque alguns nichos de trabalho infantil. “No entanto, devido a naturalização cultural, ainda não foi possível identificar os focos”.

A profissional alerta que trabalhos realizados por crianças e adolescentes sejam em semáforos, lixões, feiras, restaurantes, no campo, em indústrias ou dentro de casa tem contribuído para a exploração de forma indiscriminada da mão de obra infantil, “negando à criança os direitos à infância e educação”.

O trabalho infantil no Brasil
Segundo censo do IBGE 2015, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, cerca de 3 milhões de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos trabalham no Brasil. Desse montante, pelo menos meio milhão tem menos de 13 anos. A maioria (62%) trabalha no campo, com agricultura.

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.