Unifebe Vargas Neni TEVAH

Morre Padre Ney Brasil Pereira, único brasileiro na Pontifícia Comissão Bíblica

Internado na UTI do Imperial Hospital de Caridade, Padre Ney faleceu às 08h27min desta manhã, em Florianópolis. Exegeta, era o único brasileiro na Pontifícia Comissão Bíblica;

Foto: divulgação -

Foto: divulgação –

Florianópolis/Brusque – Natural de São Francisco do Sul e ordenado padre em Roma, participou de diversas traduções da Bíblia para o Brasil e trabalhou em Azambuja, Brusque, de 1957 a 1970. Com o pseudônimo Brasílio Pereira, foi prestigiado articulista do jornal “O Município”, cujo diretor Jaime Mendes publicava seus artigos na capa. O tipógrafo Noé Conceição Pereira atesta que aprendeu “muito da língua portuguesa com o então Diretor do Jornal, Jaime Mendes, com Wilson Santos e principalmente com o Padre Ney Brasil Pereira, que escrevia um artigo semanalmente”.

A convite do historiador Paulo Vendelino Kons, Padre Ney esteve pela última vez em Brusque na recepção ao Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança. Na manhã de 15 de novembro de 2016, participou da Santa Missa, na Forma Extraordinária do Rito Romano (celebrada em latim), no Santuário Nossa Senhora de Azambuja, regendo o Coral Santa Cecília, da Catedral Metropolitana de Florianópolis. Também participou do almoço em homenagem ao Príncipe.

Nascido em 4 de dezembro de 1930 e ordenado padre em 25 de fevereiro de 1956, Ney Brasil Pereira foi professor de Exegese do Antigo (Profetas) e do Novo Testamento (Escritos Joaninos) no Instituto Teológico de Santa Catarina (ITESC), em Florianópolis. Colaborou na tradução da Bíblia de Jerusalém, na Bíblia das Vozes, na TEB (Tradução Ecumênica da Bíblia) e na Bíblia da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB. Publicou comentários ao livro do Sirácida (Eclesiástico) e ao livro da Sabedoria, e escreveu sobre temas bíblicos na revista do ITESC, Encontros Teológicos. Além de membro da Pontifícia Comissão Bíblica.

Proposta de novo hino para o Estado

Além de composições musicais, o padre também costuma se dedicar a compor hinos. Uma de suas insistências, desde 1992, tem sido pela mudança do hino do Estado de Santa Catarina, que, segundo ele, é um hino da república, e que não remete ao Estado. “Meu desejo é a criação de um hino do Estado, porque não o temos, o hino oficial é de 1895. Não é absolutamente do Estado, pois não diz nada dele. Hino, em qualquer dicionário, é uma composição poética que exalta determinado entidade, país, clube etc. Que o digam os clubes Avaí e Figueirense”, afirma ele, que tem uma composição pronta como ideia.

Para Ney, o novo hino precisaria falar do pioneirismo do Estado, em ser o primeiro criado da região Sul, das belezas naturais, do povo forte, sobre Anita e a Guerra do Contestado, e sobre a bandeira e seus significados. Outra “briga” do padre é pela elevação da cruz do Morro da Cruz, localizada no mirante, “que desapareceu no meio da floresta”. Segundo ele, o local era uma referência, e hoje se tornou um ponto esquecido pelo cristão.

 

por Paulo Vendelino Kons

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.