Unifebe Vargas

Moradores pedem fim de poeira na rua Max Heinig

Moradores solicitam que prefeitura e proprietário de terreno resolvam o problema

P_20150924_114549Um fato está causando indignação de moradores da rua Max Heinig, no bairro Bateas. A comunidade reclama da quantidade de poeira que atinge as residências, devido os caminhões que trafegam na rua. O trânsito dos veículos ocorre por causa de um aterro que está sendo realizado na localidade. Cansados de esperar uma solução por parte do proprietário do terreno, os moradores interditaram a rua na última terça-feira (22).

Os moradores enfrentam o problema há pelo menos cinco anos, quando o empresário deu início ao aterro. Segundo a moradora da localidade, Morgana Becker, esta foi a terceira vez que interrompeu o tráfego dos caminhões na rua. “Desde 2012 eu comecei a colocar o carro na entrada da rua para eles pararem. É a única maneira da gente ser ouvido. Porque nós paramos os caminhões”, conta.

Embora a rua esteja esburacada e de difícil trafegabilidade, o maior problema que os moradores enfrentam é com relação ao pó. De acordo com ela, a comunidade já solicitou que o proprietário do terreno tomasse uma atitude. “A gente só queria que molhasse a estrada. Todo mundo que tem a roupa no varal vê que fica dura do pó. Mesmo com as janelas fechadas entra muito pó dentro da casa”. Confira o vídeo feito por um morador:

Morgana também atribui parte da culpa à prefeitura de Brusque. Ela conta que a pavimentação da rua ficou apenas na promessa e que os próprios moradores realizaram as obras de drenagem da rua, que já está comprometida. “Nós pagamos os tubos e também a máquina para fazer até no outro lado da estrada. A maioria se juntou e acabou pagando as obras. Agora, como colocamos os tubos, agora com os caminhões passando, lá no outro lado da rua já não escoa mais a água. Porque os caminhões estão quebrando os tubos. E a prefeitura não da manutenção, não passa uma maquina”, conta.

Agora, os moradores pedem que a prefeitura de Brusque intervenha com o proprietário do terreno para que uma solução seja alcançada. “Já que eles (prefeitura) não fazem uma manutenção na nossa rua, que pelo menos cobrem de quem está fazendo o aterro, porque eles são obrigados a fazer essa manutenção da estrada. Deixar a estrada sempre em dia para os moradores também”, solicita.

A reportagem do Olhar do Vale tentou contato com o proprietário do terreno. No entanto, não obteve sucesso com as ligações.  Em todas as tentativas, as ligações caíram na caixa de mensagem.

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.