Unifebe Vargas

Conferência de abertura da VII Semana da Família será ministrada por Esperidião Amin

Político discursará sob o tema "Estratégias de enfrentamento das ameaças contra a família, projeto de Deus";

Foto: divulgação -

Foto: divulgação –

Brusque – O deputado federal Esperidião Amin confirmou na noite de sexta-feira, 18/3, que proferirá a palestra inaugural da Semana da Família de 2017, na Câmara Municipal de Brusque, sob o tema “Estratégias de enfrentamento das ameaças contra a família, projeto de Deus”.

Porta voz do Grupo de Proteção da Infância e Adolescência (GRUPIA) no Congresso Nacional, Esperidião Amin é o deputado que recebeu maior votação na história de Santa Catarina e em duas oportunidades foi eleito Governador do Estado.

Com o tema “Família, Projeto de Deus” e o lema “Ser Família, uma Missão”, a VII Semana da Família será realizada de 14 a 28 de maio de 2017.

Idealizador da Semana da Família promovida anualmente pelo Grupia, Paulo Vendelino Kons enfatiza que “a instituição família, mesmo sendo projeto de Deus para transmitir a vida humana e cooperar na obra da Criação, vem sendo posta a prova. É comum ouvir que a família já é uma instituição “superada”, pelo menos na sua forma natural e mais evidente, formada por um casal – homem e mulher, e por filhos. E grupos ideológicos militantes, com intenso apoio dos principais veículos de comunicação, querem impor um “novo conceito de família”, separando casamento e família, ou casamento, família e procriação. Pretende-se negar a própria identidade da família. Será isso um avanço da sociedade?”, questiona.

Kons lamenta que projetos de leis, decretos do executivo e julgamentos do judiciário brasileiro ultimamente têm seguido alguns caminhos ditados por uma mentalidade global que procura desconstruir a família como sonhada no sábio projeto de Deus para a humanidade.

Ideologia de gênero

Paulo Kons denuncia que “na educação dos filhos, há uma ideologia, de fundo socialista e evidentemente errônea, segundo a qual o Estado deve ter cada vez mais ingerência na vida da família, talvez, ocupando o lugar natural que sempre coube aos pais – “com amor paterno e materno” – na educação dos filhos. Chegam ao cúmulo de quererem impor marco legal na Educação que obrigue as escolas a ensinarem, desde as séries iniciais, que ninguém nasce homem ou mulher, mas que cada indivíduo deve construir sua própria identidade, isto é, seu gênero, ao longo da vida. “Homem” e “mulher”, portanto, seriam apenas papéis sociais flexíveis, que cada um representaria como e quando quisesse, independentemente do que a biologia determine como masculino e feminino”.

Paulo Kons esclarece não ser honesto que, para fazer caber teorias, ideologias dos adultos, crianças sejam usadas como cobaias. “Estamos esquecendo que nossas crianças têm o direito de serem crianças, de serem respeitadas e protegidas em sua integridade, suas crenças, seus sistemas familiares de valores, que incluem suas tradições familiares, valores morais, éticos, religiosos, repassados pela sua família de geração em geração”.

Famílias omissas

Kons declara que “os professores doutrinadores e as famílias omissas são responsáveis por colocar a criança em contato com drogas, prostituição, atividade sexual precoce, aborto”. Kons conclama todos a participarem da VII Semana da Família e de não se omitirem, cobrando do “poder público, dos professores e da escola que sejam ignorados materiais que promovam a erotização precoce e as mentiras relacionadas à multiplicidade de gênero, uniões poliafetivas”.

Kons explica que “uma coisa é falar sobre o respeito às diferenças, outra é enganar as crianças como preconizado pela ideologia de gênero”.

por Assessoria de Imprensa

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.