Unifebe Vargas Neni

Coleta de lixo doméstico: População deve reinvindicar

Superintendente da Fundema diz que projeto é caro e que a captação de recursos é demorada

Diego Fundema

 

Hoje, em nossa cidade não há coleta de esgoto doméstico. O tratamento da água que vai para os rios depende do tratamento unitário, da implantação de fossas e filtros por parte dos construtores do imóvel. Diego Furtado, engenheiro ambiental e superintendente da Fundema, conta que, além de serem poucas as casas que têm o sistema, muitas não fazem a manutenção e a limpeza periódica do equipamento, deixando-os ineficientes.

 

O superintendente explica que é um projeto da administração para implantar uma rede municipal de tratamento, mas devido aos altos custos do projeto, a captação de recursos se torna um processo complicado e demorado. As obras também serão de difícil realização, pela tubulação ser subterrânea, toda a cidade teria que ser escavada, gerando todo tipo de transtornos.

 

A poluição gera problemas para a fauna, dificultando a procriação de espécies que precisam de um ambiente limpo, e também para nós cidadãos. Os resíduos dificultam a captação de água e podem levar à contaminação de seu consumidor, além de trazer mau cheiro e margens deterioradas. Esta é uma causa que não pode deixar de ser reivindicada pelos moradores de nossa cidade, Brusque precisa de saneamento básico.

 

 

Por Maria Zucco

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.