Unifebe Brusque Vargas Têxtil

Brusque joga bem, mas perde para o Figueirense

Pênalti inexistente impediu o time de Mauro Ovelha de arrancar um empate na capital;

Foto: Sidney Silva -

Foto: Sidney Silva –

Florianópolis – O Brusque Futebol Clube perdeu, mas encheu os olhos da torcida com um futebol bonito e consciente na noite deste domingo, 31 de janeiro. Diante do Figueirense, a equipe acabou sucumbindo após uma atuação, no mínimo, ruim, do juiz da partida.

A primeira etapa

 A primeira boa chance foi do Brusque Futebol Clube (BFC). Aos cinco minutos, após boa troca de passes do ataque quadricolor, a bola sobrou pra Eliomar, que chutou próximo da trave esquerda, só que pra fora. Com o BFC marcando bem e de maneira forte, o Figueira não conseguia fazer uma boa movimentação, chegando pouco até a meta defendida por Wanderson.

Os donos da casa começaram a reagir a partir dos dez minutos de jogo, infiltrando com mais efetividade na defesa brusquense. A ducha de água fria para os jogadores comandados por Mauro Ovelha – que já começavam a gostar do jogo – veio aos doze minutos, quando o bom Clayton, do Figueira, foi derrubado dentro da área por Everton. Clayton mesmo foi para a cobrança e abriu o placar no Orlando Scarpelli.

Aos 26 minutos, uma nova boa oportunidade do BFC. Alemão, após boa triangulação, recebe dentro da grande área e chuta fraco para a defesa de Junior Oliveira, goleiro rival. A bola ainda resvalou em dois jogadores, quase surpreendendo o arqueiro do furacão da ilha.

No apagar das luzes da primeira etapa a torcida do Brusque sorriu novamente com o gol digno de um camisa 9, convertido por Giancarlo. O centroavante recebeu passe tabelado açucarado dentro da pequena área, vindo de Everton. Ele teve apenas o trabalho de empurrar a redonda oficial para o fundo da meta.

A segunda etapa

O Bruscão veio com fôlego renovado para a etapa complementar da primeira partida de volta a elite do Catarinão. Tanto que a primeira chance veio logo no fim do primeiro minuto de jogo, com bom chute de fora da área, defendido por Junior Oliveira.

Porém, aos sete minutos, o juizão viu um pênalti onde não existia em Bruno Dybal, que não foi tocado por Carlos Alberto do Brusque. Clayton, exímio cobrador de pênaltis, botou o time da capital novamente em vantagem. Mauro Ovelha, de temperamento forte, se exaltou com a injustiça praticada e foi expulso. O Figueirense, então, foi com tudo pra cima nos próximos minutos, exigindo defesas difíceis de Wanderson, goleiro brusquense.

Guerreiro, o BFC não se abateu e voltou a jogar bem. Aos 17 minutos, Assis quase empatou o jogo em boa investida em contra ataque. Chutou bonito pra defesa do goleiro do furacão. A bola saiu em escanteio. Na cobrança, desvio de cabeça que tinha endereço certo… Não fosse a boa atuação do goleirão adversário. Aos 23 minutos, Paulinho, que recém havia entrado, em um voleio, fez Junior Oliveira subir no ângulo para conseguir defender o bom chute.

O Brusque seguiu guerreiro até o fim, com todas as substituições feitas pelo auxiliar técnico, que passou a comandar a equipe dentro das quatro linhas. Porém, não foi o suficiente para decretar a sua primeira derrota – certamente com tons de injustiça – na série A do Campeonato Catarinense 2016. A equipe volta a campo na próxima quarta-feira, 3 de fevereiro, no Estádio Augusto Bauer, contra o Criciúma. O jogo ocorre às 19h30min.

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.