Unifebe Brusque Vargas Têxtil

Vem aí a 37ª Pronegócio; como driblar a crise e ainda lucrar?

Luiz Carlos Rosin, presidente da Ampe, falou a respeito com a reportagem de Olhar do Vale (ODV);

DSCF5130

Foto: Wilson Schmidt Junior –

Brusque – Na próxima segunda-feira (27), todos os caminhos levam a Brusque. Pelo menos para quase um milhar de compradores que irão chegar à cidade para comprar os looks mais fashions que prometem ser tendência no verão 2015/2016, na 37ª edição da Pronegócio, a maior rodada de negócios têxteis do país. O evento é organizado há 19 anos pela Associação das Micro e Pequenas Empresas de Brusque (Ampe). Na ocasião, os empresários associados expõe seus produtos de vestuário para centenas de compradores de todo o Brasil.

ROSIN (800x534)

Foto: Wilson Schmidt Junior

De acordo com o presidente da entidade, Luiz Carlos Rosin, a 37ª Pronegócio contará com a presença de cerca de 200 lojistas de Brusque e região. Já o número cogitado de compradores, por enquanto, se aproxima dos 800, todos já confirmados nos hotéis de Brusque e região que esperam, por sua vez, esgotar as vagas. “Pretendemos vender durante estes três dias um total de 1,3 a 1,5 milhão de peças. Sabe que é um ano atípico, com muitas oscilações de mercado, mas independente disso nossos fabricantes se prepararam muito bem para receber os compradores (…) cabe a nós vendedores explorar cada vez nosso produto para encantar e fazer eles [os compradores] comprarem mais”, afirma.

A 37ª Pronegócio ocorre no Pavilhão de Eventos Maria Celina Vidotto Imhof, o Pavilhão da Fenarreco, que já está praticamente completamente preparado para receber todos os integrantes que, juntos, formam a feira têxtil de maior sucesso em território nacional. O evento ocorre até o dia 1º de maio. Os compradores que desejam participar da Pronegócio devem apresentar apenas o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na recepção do pavilhão.

Como driblar a crise?

Muitas feiras tentaram se consolidar com o passar dos anos em Brusque. Pode-se dizer que apenas a Pronegócio ficou. Qual o segredo? Como driblar a crise econômica que fez o Brasil entrar em recessão? Para Rosin, o segredo é a criatividade e a busca pela melhor qualidade possível oferecida pelos produtores têxteis brusquenses. O aperfeiçoamento é feito através de cursos, viagens internacionais, palestras entre outros.

Rosin citou, em especial, o “fast fashion” (moda rápida), como o segredo do sucesso. O termo utilizado pelos produtores para designar a produção rápida e contínua de novidades, podendo gerar para as corporações um aumento considerável no faturamento. “Cada fabricante tem que estar sempre muito atento, muito alerta, pesquisar no exterior, na Internet, para sempre ter um produto de vanguarda para oferecer para as pessoas que qui passam”, pontua o empresário e, também, secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável interino da Prefeitura de Brusque.

por Wilson Schmidt Junior

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.