Unifebe Vargas TEVAH

Empresa familiar de Botuverá completa dez anos produzindo quase um milhão de quilos de fios ao mês

Sócios da Vargas Têxtil buscam a competitividade investindo em tecnologia

FV_0042

Foto: divulgação –

Botuverá – Quem percebe o sucesso da empresa Vargas Têxtil em Botuverá, que  vende fios de algodão para todo o Brasil e fabrica quase um milhão de quilos de fios por mês, não imagina que a empresa começou de uma atitude inusitada da família Vargas, que saiu do ramo de venda de veículos para se aventurar no ramo têxtil há 10 anos e olha que a atitude de coragem deu certo.

Sim, uma empresa familiar, na contramão de muitas empresas que optam por fazer sua gestão com profissionais de fora do âmbito familiar, os Vargas mostram competência e a prova está nos resultados: a empresa não para de crescer.

O empreendimento conta com o empresário Osnildo Vargas, de 52 anos, a frente dos negócios, ladeado por seus filhos Junior, de 30 anos e Heitor de 22 anos.

No ano de 2007, a família resolveu empreender em um ramo totalmente diferente, saindo do ramo de negociação de veículos para o ramo têxtil, no qual eles sempre sentiram interesse em empreender. Foi aí que encontraram um pequeno galpão em Botuverá que pertencia a uma outra pessoa. Esta pessoa resolveu vender então essa estrutura a eles. Foi aí que tudo começou.

Júnior Vargas, um dos sócios fala que a meta da empresa é crescimento

Júnior Vargas, um dos sócios, fala que a meta da empresa é crescimento constante.

Júnior Vargas, que é um dos sócios, conta que aí começou uma fase de modernização da empresa: ” De lá pra cá fomos tomando gosto pelo negócio e fomos investindo, importando máquinas, aumentando o parque fabril e nos tornando o que somos hoje. A cada ano fomos dando um passo acima e sempre com o compromisso de se dedicar mais e mais”, afirma.

As máquinas que fazem parte do parque fabril são importadas da Europa: “Hoje estamos com doze máquinas que fazem a produção final e vamos aumentar para 14, sem contar as outras que fazem parte da preparação do produto”, confidencia Júnior.

Segundo Junior esse tipo de trabalho chega a ser viciante. “É interessante ver o algodão como vem da fazenda, depois ele vai se transformando no fio, depois na malha, no tecido. Aquilo vai estimulando o teu trabalho para que você tenha cada vez mais qualidade”, se admira.

Atuando no mercado nacional, a empresa vem utilizando tecnologia para se tornar cada vez mais competitiva no mercado. “Temos que estar sempre a frente porque uma máquina moderna vai te dá mais produção, mais qualidade, vai gastar menos energia elétrica, então todos esses fatores fazem um diferencial na produtividade”.  Como isso não é por acaso que a empresa, que conta com mais de cem funcionários, usa o slogan “Tecnologia de fios de algodão”.

Perguntado sobre qual a importância da família estar a frente do negócio, o empresário diz o seguinte: ” É como fala o meu pai: Se a gente não fizer por nós, quem fará? Então a gente tem que cuidar. É daqui que vem todos os nossos sonhos. Meu  pai começou, agora eu e meu irmão estamos mais inteirados daqui. A gente está desde o início. No começo a gente era mais novo, então a gente preza para sempre continuar este caminho evolutivo. Quando ela tiver vinte anos que ela esteja o dobro de tamanho para a gente honrar o suor que foi colocado aqui”, finaliza Junior.

No mês de agosto a empresa comemora dez anos de fundação.

por Anderson Vieira

Publicado por Olhar do Vale

Avalie essa notícia

Os comentários serão analisados pelo editor do site e podem ser excluidos caso contenham conteúdo discriminatório, calunioso ou difamador. O nosso objetivo é promover a discussão de ideias entre os internautas. Esteja ciente que comentando aqui você assume responsabilidade pela sua opinião.